loader image
Pesquisar
Close this search box.

C6 Bank volta atrás na sua projeção do PIB de 2023: Confira!

Leia nosso texto e fique por dentro da revisão feita pelo C6 Bank sobre o PIB de 2023 e seus impactos!

O C6 Bank é atualmente não só uma das maiores fintechs do país, mas, também, uma das maiores instituições bancárias, sendo considerada uma das empresas líderes do ramo. Logo, é natural que suas ações e medidas impactem diretamente na economia do país. 

Nesse contexto, assim como outras instituições financeiras, o C6 Bank tem o hábito de fazer projeções do mercado brasileiro para o decorrer do ano. Depois de uma alta de vendas em março, a instituição voltou atrás e decidiu revisar sua previsão para o PIB deste ano.

Se você quer ficar por dentro do que levou a fintech a tomar essa decisão, bem como saber quais são as previsões feitas por essa gigante do mercado financeiro, não deixe de ler nosso texto por completo para ficar bem informado!

C6 Bank e sua previsão para o PIB 2023

imagem 2023 05 24 115542168

O Produto Interno Bruto (PIB) é uma medida amplamente utilizada para mensurar a atividade econômica de um país durante um determinado período, geralmente anual. No caso do Brasil, o PIB representa o valor total de todos os bens e serviços finais produzidos dentro do país em um ano.

O PIB é uma métrica fundamental para analisar o crescimento econômico de uma nação e sua capacidade de gerar riqueza. Ele engloba diversos setores da economia, como agricultura, indústria, comércio, serviços e construção civil.

Cálculo do PIB

Existem duas formas de calcular o PIB: pela ótica da produção e pela ótica da demanda. Pela ótica da produção, soma-se o valor agregado de cada setor econômico. Pela ótica da demanda, soma-se os gastos de consumo das famílias, os investimentos realizados pelas empresas, as despesas do governo e as exportações líquidas (diferença entre as exportações e as importações).

Dessa forma, um PIB em crescimento geralmente indica uma economia saudável e em expansão, enquanto um PIB em queda pode indicar recessão econômica – o que o torna um indicador importante, inclusive, para empresas e países estrangeiros. 

Nesse contexto, o C6 Bank, recentemente, voltou atrás com a sua projeção inicial para o PIB de 2023. Essa não é a primeira revisão feita pelo banco. Na verdade, essas são muito comuns – já que são apenas projeções, que se alteram com o passar do tempo.

No início do ano, a instituição já havia revisado a sua projeção. Inicialmente, ela esperava um crescimento de 0,0%, mas, alterou o índice para 1,0%. Essa revisão foi gerada por conta de estímulos fiscais do governo federal e de uma estimativa mais otimista para a safra de grãos, ao longo do ano. 

Mas, agora, a empresa novamente voltou a revisar sua projeção, após valores inesperados no setor do varejo. Desse modo, a empresa destacou um crescimento na sua projeção de 1,5%, após uma reviravolta com os dados do varejo do mês de março.

Vendas do C6 Bank

As vendas do varejo restrito e ampliado avançaram 0,8% e 3,6%, respectivamente, durante o período. Dessa forma, o C6 destacou esses resultados, que foram expressivos, em vista do que era esperado, inicialmente.

Contudo, ainda manteve sua posição de esperar uma desaceleração do setor, ao decorrer do ano. Isso se deve a uma expectativa de desaceleração da economia global e ao impacto da política monetária contracionista sobre a atividade doméstica.

“A combinação desses fatores acaba inibindo o desempenho do varejo, principalmente dos segmentos sensíveis a crédito, que até agora vêm registrando desempenho positivo”, escreveu Claudia Moreno, economista do C6 Bank, em nota ao E-Investidor.

Assim, o C6 Bank se posicionou de forma a esperar uma queda de 2,4% das vendas do varejo ampliado, durante o mês de abril. Ainda espera que para o resto do ano, o setor fique estagnado e se estabilize, não afetando de forma interessante a economia brasileira. 

Em meio a esse cenário, o C6 Bank também passa por mudanças em seus serviços, como a recente adição de uma taxa mensal para a manutenção de suas contas digitais. 

Publicações Recomendadas